Brazilian social and environmental movements reject carbon trading

Tweet about this on Twitter0Flattr the authorShare on Reddit0Share on Google+0Share on Facebook2Share on LinkedIn0Share on StumbleUpon0Digg thisEmail this to someone

Brazilian social and environmental movements reject carbon trading

Representatives from social and environmental organisations and movements met recently for two days in Belém, Pará state, Brazil to discuss REDD. After the meeting they produced a letter calling on the Government of Brazil to reject REDD as a carbon market-based mechanism. They also call on the government to reject REDD as a way of compensating emissions from Northern countries.

Signed by 49 organisations and movements, the letter rejects “the use of market-based mechanisms as tools to reduce carbon emissions based on the firm conviction that the market cannot be expected to take responsibility for life on the planet”.

The letter is reproduced below, in English, Portuguese and Spanish.

Belém Letter

We are socio-environmental organizations and movements, male and female workers in family and peasant agriculture, agroextractivists, members of Quilombola (descendants of runaway slaves) communities, women’s organizations, urban grassroots organizations, fishermen and women, students, traditional peoples and communities, and native peoples sharing the struggle against deforestation and for environmental justice in the Amazon and in Brazil at large. We gathered at the seminar “Climate and Forest – REDD and market-based mechanisms as a solution for the Amazon?,” held in Belém, state of Pará, Brazil, on October 2-3, 2009, to analyze proposals for Reducing Emissions from Deforestation and Degradation (REDD) for the region in the light of our experiences with policies and programs implemented in the region in recent decades. In this letter, we are publicly calling on the Brazilian Government to reject the idea of using REDD as a carbon market-based mechanism and of accepting it as a means to compensate the emissions from Northern countries.

We reject the use of market-based mechanisms as tools to reduce carbon emissions based on the firm conviction that the market cannot be expected to take responsibility for life on the planet. The Conference of the Parties (COP) and its ensuing results showed that governments are not willing to take on consistent public commitments and that they tend to transfer the practical responsibility for achieving (notoriously insufficient) targets to the private initiative. As a result, public investments in and control of compliance with targets falter, while the expansion of a global CO2 market is legitimized as a new form of financial capital investment and a means to ensure the survival of a failed production and consumption model.

The REDD proposals under discussion do not make any distinction between native forests and large-scale tree monoculture, and they allow economic actors – which have historically destroyed ecosystems and expelled populations from them – to resort to standing forest appreciation mechanisms to preserve and strengthen their economic and political power to the detriment of those populations. In addition, we run the risk of allowing industrialized countries not to reduce their fossil-fuel emissions drastically and to maintain an unsustainable production and consumption model. We need agreements to force Northern countries to recognize their climate debt and to assume the commitment to pay it off.

For Brazil, international climate negotiations should not be focused on discussing REDD and other market-based mechanisms, but rather on the transition to a new production, distribution and consumption model based on agroecology, on a solidarity-based economic approach, and on a diversified and decentralized energy matrix capable of ensuring food security and sovereignty.

The main challenge for addressing deforestation in the Amazon and in other biomes in Brazil lies in solving the serious land ownership problems facing the country, which are at the roots of its socio-environmental conflicts. Deforestation – resulting from the advance of monoculture and of policies that favor agribusiness and a development model based on the predatory exploitation and export of natural resources – can only be avoided if the land issue is appropriately addressed through a Land Reform and sustainable territorial reorganization measures, and if territories occupied by traditional peoples and communities and by native peoples are legally recognized.

We have a different vision on what territory, development and economics are all about, which we are building over time, based on the sustainable use of forests and free use of biodiversity. A set of public policies is necessary for ensuring recognition of and appreciation for traditional practices, on the basis of a balanced relationship between production and environmental preservation.

We are committed to keep on fighting for what we believe in the light of this vision and to make sure that any mechanism for reducing deforestation is based on a comprehensive set of public policies and public and voluntary funds that can ensure our rights and life in the Amazon and on the planet.

Signed by:

Friends of the Earth – Brazil
ANA – National Agroecology Articulation
Tijupá Agroecological Association
Terrazul Alternative Civil Association
APACC – Association in Support of Poor Communities of the State of Pará
APA-TO – Alternatives for Small-Scale Agriculture in the State of Tocantins
CEAPAC – Center in Support of Community Action Projects
CEDENPA – Center for Studies and Defense of Black People of the State of Pará
COFRUTA – Fruit Growers’ Cooperative of Abaetetuba
Coletivo Jovem Pará
Sapê do Norte – State of Espírito Santo – Quilombola Committee
CONTAG – National Confederation of Agricultural Workers
CUT – Single Workers’ Union
FASE – Solidarity and Education
FAOC – West Amazon Forum
FAOR – East Amazon Forum
FEAB – Federation of Agronomy Students of Brazil
FETAGRI – Federation of Agricultural Workers of the State of Pará
FETRAF – National Federation of Family Agriculture Workers of Brazil
FMAP – Forum of Women of the Amazon in the State of Pará
FORMAD – Forum for Development and Environment of the State of Mato Grosso
BR 163 Forum
Carajás Forum
DEMA FUND
GIAS – Sustainable Agriculture Exchange Group of the State of Mato Grosso
GMB – Group of Brazilian women
IAMAS – Instituto Amazônia Solidária e Sustentável (Solidarity-Based and Sustainable Amazon Institute)
MAB – Movement of People Affected by Dams
Malungu – Coordination of Associations of Communities of Descendants of Runaway Slaves (Quilombos) of the State of Pará
MAMEP – Women’s Movement of the State of Pará
MMM – World Women’s March
MMNEPA – Women’s Movement of the Northeast Region of the State of Pará
MMTA-CC – Movement of Working Women of Altamira, state of Pará
Xingu Vivo para Sempre Movement
MST – Landless Movement
RBJA – Brazilian Environmental Justice Network
Brazil Network on Multilateral Financial Institutions
REBRIP – Brazilian Network for the Integration of the Peoples
RECID – Rede de Educação Cidadã (Citizenship Education Network)
Cerrado Network
Network Against Green Deserts
SDDH – Society for the Defense of Human Rights of the State of Pará
STTR – Rural Workers’ Union – Abaetetuba
STTR – Rural Workers’ Union – Cametá
STTR – Rural Workers’ Union – Lucas do Rio Verde – State of Mato Grosso
STTR – Rural Workers’ Union – Santarém
NGO Terra de Direitos (Land of Rights)
UNIPOP – Popular University Institute
Via Campesina Brazil

Belém, October 2-3, 2009


Carta de Belém

Somos organizações e movimentos sócio-ambientais, trabalhadores e trabalhadoras da agricultura familiar e camponesa, agroextrativistas, quilombolas, organizações de mulheres, organizações populares urbanas, pescadores, estudantes, povos e comunidades tradicionais e povos originários que compartilham a luta contra o desmatamento e por justiça ambiental na Amazônia e no Brasil. Reunimos-nos no seminário “Clima e Floresta – REDD e mecanismos de mercado como solução para a Amazônia?”, realizado em Belém em 02 e 03 de outubro de 2009, para analisarmos as propostas em curso de Redução de Emissões por Desmatamento e Degradação (REDD) para a região à luz de nossas experiências sobre as políticas e programas implementados na região nas últimas décadas. Nesta Carta vimos a público manifestar nossa reivindicação que o governo brasileiro rejeite a utilização do REDD como mecanismo de mercado de carbono e que o mesmo não seja aceito como compensação às emissões dos países do Norte.

Rechaçamos os mecanismos de mercado como instrumentos para reduzir as emissões de carbono, baseados na firme certeza que o mercado não é o espaço capaz de assumir a responsabilidade sobre a vida no planeta. A Conferência das Partes (COP) e seus desdobramentos mostraram que os governos não estão dispostos a assumir compromissos públicos consistentes, transferem a responsabilidade prática de cumprimentos de metas, além do que notoriamente insuficientes, à iniciativa privada. Isso faz com que, enquanto os investimentos públicos e o controle sobre o cumprimento de metas patinem, legitima-se a expansão de mercado mundial de CO2, que aparece como uma nova forma de investimento de capital financeiro e de sobrevida a um modelo de produção e de consumo falido.

As propostas de REDD em debate não diferenciam florestas nativas de monoculturas extensivas de árvores, e permitem aos atores econômicos – que historicamente destruíram os ecossistemas e expulsaram as populações que vivem neles – encontrarem nos mecanismos de valorização da floresta em pé maneiras de continuar com e fortalecer seu poder econômico e político em detrimento dessas populações. Além disso, corremos o risco que os países industrializados não reduzam drasticamente suas emissões pela queima de combustíveis fósseis e mantenham um modelo de produção e de consumo insustentáveis. Precisamos de acordos que obriguem os países do Norte a reconhecerem a sua dívida climática e a se comprometerem com a reparação da mesma.

Para o Brasil, as negociações internacionais sobre clima não podem estar focadas no debate sobre REDD e outros mecanismos de mercado e sim na transição para um novo modelo de produção, distribuição e consumo, baseado na agroecologia, na economia solidária e numa matriz energética diversificada e descentralizada, que garantam a segurança e soberania alimentar.

O desafio central para o enfrentamento do desmatamento na Amazônia e em outros biomas do país é a solução dos graves problemas fundiários, que estão na raiz dos conflitos sócio-ambientais. O desmatamento – resultante do avanço das monoculturas, das políticas que favorecem o agronegócio e um modelo de desenvolvimento voltado à exploração predatória e exportação de recursos naturais – só será evitado com a resolução da questão fundiária, a partir de uma Reforma Agrária e de um reordenamento territorial em bases sustentáveis, e do reconhecimento jurídico dos territórios dos povos e comunidades tradicionais e povos originários.

Temos outra visão de território, desenvolvimento e economia, que estamos construindo ao longo do tempo, articulando o uso sustentável da floresta e o livre uso da biodiversidade. Faz-se necessário um conjunto de políticas públicas que permitam o reconhecimento e valorização dessas práticas tradicionais, baseadas na convivência entre produção e preservação ambiental.

Nos comprometemos a seguir lutando a partir destas premissas, e para que todo e qualquer mecanismo de redução do desmatamento esteja inserido em uma visão abrangente de políticas públicas e fundos públicos e voluntários que viabilizem nossos direitos e a vida na Amazônia e no planeta.

Assinam:
Amigos da Terra – Brasil
ANA – Articulação Nacional de Agroecologia
Associação Agroecológica Tijupá
APACC – Associação Paraense de Apoio às Comunidades Carentes
APA-TO – Alternativas para a Pequena Agricultura do Tocantins
CEAPAC – Centro de Apoio a Projetos de Ação Comunitária
CEDENPA – Centro de Estudos e Defesa do Negro do Pará
COFRUTA – Cooperativa dos Fruticultores de Abaetetuba
Coletivo Jovem Pará
Comissão Quilombola de Sapê do Norte – Espírito Santo
CONTAG – Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura
CUT – Central Única dos Trabalhadores
FASE – Solidariedade e Educação
FAOC – Fórum da Amazônia Ocidental
FAOR – Fórum da Amazônia Oriental
FEAB – Federação dos Estudantes de Agronomia do Brasil
FETAGRI – Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Pará
FETRAF – Federação Nacional dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura Familiar do Brasil
FMAP – Fórum Mulheres Amazônia Paraense
FORMAD – Fórum Mato-Grossense pelo Desenvolvimento e Meio Ambiente
Fórum BR 163
Fórum Carajás
FUNDO DEMA
GIAS – Grupo de Intercâmbio em Agricultura Sustentável do Mato Grosso
GMB – Grupo de Mulheres Brasileiras
IAMAS – Instituto Amazônia Solidária e Sustentável
Instituto Terrazul
MAB – Movimento dos Atingidos por Barragens
Malungu – Coordenação das Associações das Comunidades Remanescentes de Quilombos do Pará
MAMEP – Movimento e Articulação de Mulheres do Estado do Pará
MMM – Marcha Mundial das Mulheres
MMNEPA – Movimento de Mulheres do Nordeste Paraense
MMTA-CC – Movimento das Mulheres Trabalhadoras de Altamira Campo e Cidade
Movimento Xingu Vivo para Sempre
MST – Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra
RBJA – Rede Brasileira de Justiça Ambiental
Rede Brasil sobre Instituições Financeiras Multilaterais
REBRIP – Rede Brasileira pela Integração dos Povos
RECID – Rede de Educação Cidadã
Rede Cerrado
Rede Alerta contra o Deserto Verde
Reserva Extrativista Marinha Araí-Peroba
Reserva Extrativista Marinha Mãe Grande de Curuçá
Reserva Extrativista Tapajós-Arapiuns
SDDH – Sociedade Paraense de Defesa dos Direitos Humanos
STTR – Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais – Abaetetuba
STTR – Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais – Cametá
STTR – Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais – Lucas do Rio Verde – Mato Grosso
STTR – Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais – Santarém
Terra de Direitos
UNIPOP – Universidade Popular
Via Campesina Brasil

Belém, 02 e 03 de outubro de 2009


Carta de Belem

Somos organizaciones y movimientos socio-ambientales, trabajadores y trabajadoras de la agricultura familiar y campesina, agro- extractivistas, quilombolas, organizaciones de mujeres, organizaciones populares urbanas, pescadores, estudiantes, pueblos y comunidades tradicionales y pueblos originarios que comparten la lucha contra la deforestación y por la justicia ambiental en la Amazonía y en Brasil. Nos reunimos en el seminario “Clima y bosques: ¿ REDD y mecanismos de mercado como una solución para la Amazonía?” realizado en Belem do Pará los días 2 y 3 de octubre de 2009, para analizar las propuestas en negociación sobre Reducción de Emisiones por Deforestación y Degradación (REDD) para la región, teniendo como base nuestras experiencias sobre las políticas y programas implementados en la región en las últimas décadas. En esta carta hacemos pública nuestra reivindicación de que el gobierno brasilero rechace la utilización de REDD como mecanismo de mercado de carbono y que el mismo no sea aceptado como compensación por las emisiones del Norte.

Rechazamos los mecanismos de mercado como instrumentos para reducir las emisiones de carbono, basados en la firme creencia de que el mercado no es un espacio capaz de asumir la responsabilidad por la vida en el planeta. La Conferencia de las Partes (COP) y sus desdoblamientos mostraron que los gobiernos no están dispuestos a asumir compromisos públicos consistentes, que transfieren la responsabilidad práctica del cumplimiento de metas, notoriamente insuficientes, hacia la iniciativa privada. Con esto, mientras que las inversiones públicas y el control sobre el cumplimiento de las metas se diluyen, se legitima la expansión de mercado mundial de CO2, que aparece como una nueva forma de inversión del capital financiero y de supervivencia de un modelo de producción y de consumo fracasado.

Las propuestas de REDD en debate no diferencian bosques nativos de monocultivos extensivos de árboles y le permiten a los actores económicos – que históricamente destruyeron los ecosistemas y expulsaron a las poblaciones que allí vivían – encontrar en los mecanismos de valorización de bosques en pie, formas para continuar con y fortalecer su poder económico y político en detrimento de esas poblaciones. Además, corremos el riesgo de que los países industrializados no reduzcan drásticamente sus emisiones por la quema de combustibles fósiles y mantengan un modelo de producción y de consumo insustentable. Precisamos acuerdos que obliguen a los países del Norte a reconocer su deuda climática y a comprometerse con la reparación de la misma.

Para Brasil, las negociaciones internacionales sobre clima no pueden estar centradas en el debate sobre REDD y otros mecanismos de mercado y sí en la transición hacia un nuevo modelo de producción, distribución y consumo, basado en la agro-ecología, en la economía solidaria y en una matriz energética diversificada y descentralizada que garanticen la seguridad y soberanía alimentaria.

El desafío central para enfrentar la deforestación en la Amazonía y en otros biomas del país es la solución de los graves problemas agrarios, que están en la raíz de los conflictos socio-ambientales. La deforestación – resultante del avance de los monocultivos, de las políticas que favorecen al agro-negocio y a un modelo de desarrollo volcado a la explotación predatoria y exportación de recursos naturales – sólo será evitado con la resolución de la cuestión agraria, a partir de una Reforma Agraria y de una reordenación territorial con bases sustentables, y del reconocimiento jurídico de los territorios de los pueblos y comunidades tradicionales y pueblos originarios.

Tenemos otra visión del territorio, desarrollo y economía, que hemos estado construyendo a lo largo del tiempo, articulando el uso sustentable del bosque y el libre uso de la biodiversidad. Se hace necesario un conjunto de políticas públicas que permitan el reconocimiento y la valorización de esas prácticas tradicionales, basadas en la convivencia entre producción y preservación ambiental.

Nos comprometemos a seguir luchando desde estas premisas, y para que todo y cualquier mecanismo de reducción de deforestación esté inserido en una visión amplia de políticas públicas y fondos públicos y voluntarios que posibiliten nuestros derecho y vida en la Amazonía y en el Planeta.

Firmas:

Amigos da Terra – Brasil
ANA – Articulação Nacional de Agroecologia
Associação Agroecológica Tijupá
Associação Civil Alternativa Terrazul
APACC – Associação Paraense de Apoio às Comunidades Carentes
APA-TO – Alternativas para a Pequena Agricultura do Tocantins
CEAPAC – Centro de Apoio a Projetos de Ação Comunitária
CEDENPA – Centro de Estudos e Defesa do Negro do Pará
COFRUTA – Cooperativa dos Fruticultores de Abaetetuba
Coletivo Jovem Pará
Comissão Quilombola de Sapê do Norte – Espírito Santo
CONTAG – Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura
CUT – Central Única dos Trabalhadores
FASE – Solidariedade e Educação
FAOC – Fórum da Amazônia Ocidental
FAOR – Fórum da Amazônia Oriental
FEAB – Federação dos Estudantes de Agronomia do Brasil
FETAGRI – Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Pará
FETRAF – Federação Nacional dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura Familiar do Brasil
FMAP – Fórum Mulheres Amazônia Paraense
FORMAD – Fórum Mato-Grossense pelo Desenvolvimento e Meio Ambiente
Fórum BR 163
Fórum Carajás
FUNDO DEMA
GIAS – Grupo de Intercâmbio em Agricultura Sustentável do Mato Grosso
GMB – Grupo de Mulheres Brasileiras
IAMAS – Instituto Amazônia Solidária e Sustentável
MAB – Movimento dos Atingidos por Barragens
Malungu – Coordenação das Associações das Comunidades Remanescentes de Quilombos do Pará
MAMEP – Movimento e Articulação de Mulheres do Estado do Pará
MMM – Marcha Mundial das Mulheres
MMNEPA – Movimento de Mulheres do Nordeste Paraense
MMTA-CC – Movimento das Mulheres Trabalhadoras de Altamira Campo e Cidade
Movimento Xingu Vivo para Sempre
MST – Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra
RBJA – Rede Brasileira de Justiça Ambiental
Rede Brasil sobre Instituições Financeiras Multilaterais
REBRIP – Rede Brasileira pela Integração dos Povos
RECID – Rede de Educação Cidadã
Rede Cerrado
Rede Alerta contra o Deserto Verde
SDDH – Sociedade Paraense de Defesa dos Direitos Humanos
STTR – Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais – Abaetetuba
STTR – Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais – Cametá
STTR – Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais – Lucas do Rio Verde – Mato Grosso
STTR – Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais – Santarém
Terra de Direitos
UNIPOP – Universidade Popular
Via Campesina Brasil

Belém, 02 e 03 de outubro de 2009

Tweet about this on Twitter0Flattr the authorShare on Reddit0Share on Google+0Share on Facebook2Share on LinkedIn0Share on StumbleUpon0Digg thisEmail this to someone
Bookmark the permalink.

15 Comments

  1. Precisely and I have indicated in my SEEBif Initiative, but my thesis extends to the whole plethora of tropcial forest biomes covering 1.75 billion hectares and the 0.850 billion hectares of degraded by landscapes therein for restorative forests and human goal developoments vis choice achievable sustainable development and the permeanence of the evolution of their biodiversity therein. Local human communities in through their community councils are the only way to prevent the climate, bipodiversity and human apocalypse which will come to fruition if my Initiative is ignored.
    If I as a singular researcher of thirty years experience can assimilate this reality why cannot Governments….because the top down arguments have failed and failed miserably, and will continue to do so.

    Dr Nigel Miles
    Researcher,
    c/o Green Economic Institute.

  2. Fellows,
    It’s hard to debate such issue while we’re sitting behind our laptops, with our SUVs, and eating meating from the deforested forests around the world.
    I don’t fully agree with this letter – to be honest, I still think the Market is the most feasible and the best short-cut to protect our forests (at least, considering short-term).
    But, these organisations which have signed this letter are in the front-line of this war. Thus, I’m not saying they’re right; what I’m trying to say is they have been suffering from deforestation in other way than me. However, I do believe they need to establish more practical/feasible points in spite of changing the whole economical system at a glance!

  3. The “Letter of Belem” does not represent a consensus in the social/environmental movement in Brazil, but rather the position of some organizations that are entirely against any market solution, lead by FASE, among others. It is important to acknowledge that many respected organizations that represent indigenous and other forest communities in Brazil and other NGOs that have been working with them for years have been favorable of market solutions as complementary to the on-going command and control measures that so far have proven unsuccessful. Organizations such as COIAB, GTA, Friends of the Earth-Amazonia (the one that actually works in the Amazon), TNC, IPAM, ICV, are among many organizations that are seeking viable and practical solutions. Forest Trends recently led a community capacity building training on payments and compensation schemes for ecosystem services in Acre, co-sponsored by the Environmental Leadership Training Initiative of the Smithsonian Tropical Research Institute and the Environmental Secretary of the State of Acre, with ample participation and interest of community based organizations, such as GTA, CPI,WWF-Brasil,IPAM,IDESAM. Detailed information can be seen at (sorry it is in Portuguese): http://www.katoombagroup.org/~katoomba/event_details.php?id=33

  4. REDD As Part of the Solution: http://www.youtube.com/watch?v=PYHldt9gfMw
    Produced by Television for the Environment and commissioned by UN-REDD, and screened to World Leaders at the United Nations, the film highlights the value of tropical rainforests for tackling climate change. REDD – Reducing Emissions from Deforestation and Forest Degradation in Developing Countries – is an effort to create a financial value for the carbon stored in forests, offering incentives for developing countries to reduce emissions from forested lands and invest in low-carbon paths to sustainable development.

  5. Hey, Beto….

    I’ll type in portuguese…

    Muito bonito a teoria ae do Filme… realmente interessante… mas sinceramente amigo… BOLSA CACHAÇA…NÃO RESOLVE NADA…

    REEDUCAR SERIA A SOLUÇÃO MAS NAO TEMOS MAIS TEMPO…

    concumitante ao fato de proteger florestas que tal fazer uma campanha anti-consumo… ae nos EUA…

    e a matriz energética do mundo???? quando será mudada???? ISSO URGE….

    quem vai dar conta de monitorar tudo isso…?????

    E POR ÚLTIMO… quando o metano (CH4) entrará nos inventários nacionais??????

    Use seu poder de network e comece mudar esse cenário…

    sabemos que o buraco é bem mais embaixo…

    abs

  6. Pablo, como diz o ditado “cada macaco no seu galho;” ou seja, se cada um fizer a sua parte em vez de ficar apontando o dedo, talvez tenhamos uma chance. Estou buscando fazer a minha e da maneira que eu acredito. Respeito e um bom ingrediente nesta formula. Felicidades.

  7. Beto,
    Não fui desreipeitoso…
    me desculpe mas não acredito em “ações locais efeitos globais” assim sendo discordo da visão “se cada um fizer sua parte…” por exemplo se calcularmos só as emissões relacionada com a COP 15, todos os dirigentes de 150 paises mais ongs, 5 mil pessoas atravessando o mundo, “behind your lap tops” pra cada um puxar a sardinha pro seu lado….
    Veriamos que tudo isso é bullshit…

    o que adianta eu fazer minha parte de meus governantes não fazem a deles????

    Opnião é assim….
    Assim como vc colocou a sua eu coloquei a minha…

    Acredito que vcs desenvolvão um trabalho sério…

    Minhas críticas não são para sua organização e sim para o cenário político global… MUITO BLA BLA BLA E POUCO AÇÃO…

    A verdade é:::

    Não adianta agente ficar aqui discultindo e sinceramente não queria te ofender, se vc se sentiu ofendido, desculpe-me. Apenas fui direito aos assuntos que acho problemáticos em propostas de REDD:

    - quais são os reais interesses do poder político global?
    - quam vai monitorar tudo isso?
    - Na verdade Redd seria uma parte da solução do problema se o retorno às comunidades tracionais nao estivesse unicamente atrelado a bolsa cachaça, como a tendência mostra…

    acho que a frase acima do Victor Salviati diz tudo, pero no mucho…

    Fellows,
    It’s hard to debate such issue while we’re sitting behind our laptops, with our SUVs, and eating meating from the deforested forests around the world.

    isso é só uma pequena parte de tudo… e sinceramente nao concordo com a parte “comendo carne de florestas devastadas”…
    é tão difícil rastrear a cadeia de custódia da carne no Brasil… Como eu vou saber se vem ou nao de mata derrubada????

    Saudações

  8. Oi Pablo,
    Tranquilo, não fiquei ofendido. Vou sempre acreditar que “se” cada um de nós fizer a nossa parte “talvez” tenhamos uma chance. Cada dever cumprido é um direito adquirido, então quero continuar fazendo a minha parte e buscando melhorar. O meu trabalho no momento não é o de fazer lobby ou manifestações para concientizar os dirigirentes dos EUA ou os barões da ordem (ou desordem…) do capitalismo global a transformarem o paradigma falido causador do desequílibrio socio-ambiental. Mas sim, contribuir para o surgimento de modelos práticos e esperançosamente eficazes de fazer com que o mercado, no caso REDD, complemente os mecanismos de comando e controle para a conservação e bem estar de comunidades locais e de todos nos. Creio que os emergentes mercados ambientais, como os mecanismos de pagamento e compensação por serviços ambientais, podem ser “parte” da solução, “desde que” os direitos das comunidades locais, principalmente as comunidades indigenas e tradicionais, sejam reconhecidos, respeitados e fortalecidos neste processo. Esta é a mudança de paradigma que estou falando e interessado.
    Espero que um dia tenhamos a oportunidade de nos conhecer pessoalmente para aprofundar esta reflexão, diminuir nossas diferenças e até iniciar uma amizade.
    Tudo de bom e um abraço,
    Beto

  9. Caro Beto,
    considero extremamente valioso seu comentario a respeito das diversas correntes de orgs / movimentos sociais que debatem REDD. Fato que este grupo de organizacoes que assina a tal Carta de Belem eh relevante, porem nao representa a pletora de organizoes amazonicas e amazonidas.
    Intrigou-me, ENTRETANTO, ver que ao relacionar ” community-based orgs” voce relacionou ONGs de pesquisa, que tem alguma atuacao com comunidades, mas que nao podem ser tidas como organizacoes de base comunitaria.
    Creio que tao importante quanto “dar nome aos bois” no caso da Carta de Belem eh garantir que as organizacoes de base comunitaria, as ONGs e inclusive “INGs” sejam reconhecidas como distintas.
    IDESAM e IPAM de base comunitaria? ! ? ! Creio que incomparaveis ao GTA nesse caso.

  10. Olá Beto e Carol…

    Beto realmente, cada dever comprido um direito adquirido…
    mandou bem…
    fico feliz de saber desta real preocupação pelas comunidades tradicionais… Esse é realmente um fator que deve ser trazido a tona toda vez que os propositores e realizadores de projetos de REDD tiverem a oportunidade…
    Será meu prazer conhece-lo pessoalmente… nossas diferenças ja estam dirimidas, o que vale sempre é dialogar, discultir e repensar, se tens como meta salvar as florestas tropicais e as comunidades, achou aqui um figura que tem esse mesmo sonho, mas que, ja esta quase desistindo… E assim, iniciada aqui, uma amizade está…

    Carol, prazer, entendo muito pouco, ou melhor … nada… das INGS e ONGS amazonicas com ou sem base comunitária… mas sei que tem muita gente trabalhando aqui na Amazônia além do GTA, um pessoal que posso citar e acredito que a base comunitária deles seja densa… é o ISA… o IPE também tem uma sólida base comunitária… mas talvez essas ongs ings nem tenham uma opniao formada acerca de Redd, assim como o Idesam ja tem e defende…

    Sabemos que muita coisa tem que ser feita e com seriedade…

    continuemos trocando idéias…

    Abraços a todos a parabéns ao Lang

  11. Não rola colocar movimentos sociais no mesmo balaio que organizaçoes com trabalho baseado em pesquisa, porem articuladas com comunidades. E nem estas com organizacoes que trabalham sem capital social acumulado, mas na base tecnica e a mando de sei la quem. Do Virgilio Viana?
    Sem essa distincao, toda organizacao vira ONGui, e toda ONGui pode ser aquilo que quiser, legitimarndo uns e deslegitimando outros.

    Sobre a bandeira de REDD, os oportunistas (do bem e do mal) agarram-na ha tempos. Alguns enxergam somente coisas boas, e outros somente o lado negro da forca (tipo a Carta de Belem…).
    Seria muito bom que essa confusao de visoes confundisse menos e orientasse mais. Infelizmente parece que os fundamentalismos imperam…

  12. mas e vc??? Vc ‘e do GTA????
    vc enxerga que lado do REDD????
    ta encima do muro ainda???
    ou fundamentalista pra algun lado????

  13. Pessoal, meu nome é Fátima Mello, sou da FASE, uma organização que atua na Amazônia há mais de 4 décadas e que está entre as organizações convocantes do seminário que resultou na Carta de Belém. Nós da FASE NÃO vemos esta polarização tão clara na Amazônia entre pró e anti-REDD – temos sim a certeza que as entidades da região precisam ampliar este debate – e nossa Carta não é contra o REDD: é contra as soluções de mercado como panaceia e contra REDD como compensação às emissões dos países do Norte. As organizações que assinam a Carta, inclusive a FASE, sempre trabalharam e continuarão trabalhando junto com as entidades que estão envolvidas em projetos de REDD – somos COMPANHEIROS de longa data e não há esta polarização. A Amazônia tem um tecido organizativo riquíssimo, formado por indígenas, agroextrativistas, pescadores, ribeirinhos, quilombolas, agricultores familiares e camponeses e o consenso é que estas populações precisam de políticas e fundos públicos que lidem de forma abrangente com as necessidades e direitos, e cujo ponto central é a questão fundiária que está na base dos gravissimos conflitos socio-ambientais na região. Sem resolver o conflito fundiário, sem ter políticas de apoio a comercialização, crédito, apoio a produção, direito a renda e a terra, não tem REDD que resolva!!!!!
    Bjs,
    Fátima/FASE

  14. Pardon. I cannot believe that such a comprehensive and respectable set of organizations can deliver such poor key statements.

    First of all, I dare ask: are the aforementioned organizations alligned to that lunatic-Harvard-professor Mangabeira Unger’s positions?
    They are defending land reform in the same terms !! As the panacea to deforestation problems !

    “the market cannot be expected to take responsibility for life on the planet.” –> who should take it? State?

    “if the land issue is appropriately addressed through a Land Reform and sustainable territorial reorganization measures” –> ok. what do indigenous peoples think about it? land title is passport to heaven? I don’t think so.

    “We have a different vision on what territory, development and economics are all about, which we are building over time, based on the sustainable use of forests and free use of biodiversity.” –> what does it mean? different because of what?

    Market or non-market. Why these organizations are so focused on demonizing markets while Brazil has been completely AGAINST a market-based REDD mechanism?

  15. Pardon Valentin,
    but Brazil is totally diferent of the rest of world…

    When we talk about land issues, specially in Brazil… we have to take in mind a lot of conceptual issues that is obscured (hidden) behind private interest… So is hard to debate this issue because even to me that I’m Brazilian with a good sense of economic driver, I can’t get clearly in mind What really is this fucking public interest …

    we are the strongest country in the world, talking about natural resources as a richness… we are fucking heptalionary comparing with the rest of the world…

    So a lot of high valuable mineral are located into indigenous land, at least 70% of the unexplored brazilian potencial… that’s the main reason why carbon offset will never take this place in Economy… It’s just like a dumb action with we make an economic analisys, carbon ton is just 3 USD and just one gram of Niobio is more than 200 USD…

    The agrarian reform issue is one thing that is the rotten side of POLITRICKS the Politician men do Agrarian reform to take more and more votes on next plate….

    So we cannot think like an economists…
    Using not my words
    “REDD is an idea dreamt up by economists who have no idea how fucked the developing world is.”
    — A UK-based forestry analyst, June 2009

    So Market can’t never took the responsability to save the world, and economy will never do it… because economy is always driving the business as Usual…

    Save the world is impossible we know…

    But don’t think that redd is one big great idea… Because it’s bringing behind a lot of interest that we gonna die without a clear understanding of “Why the hells the public sector are thinking about this”

    The true is… we all need to debate more and more.. to better understand what will never be a clearly interest…

    the question is: “”””how deep the private interest can make global strategy and public sectors works for the minor interest with the biggest carbon amount emission and mainly the biggest account into canarian island”

    welcome to the cruel world….

    my pleasure

    Keep on touch

Leave a Reply

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>